Categoria: Autores

A mostrar 1–16 de 79 resultados

  • Abel Carvalho

    Abel Carvalho (1)

  • Abraham Lambsprink

    Abraham Lambsprink (2)

  • Adama

    Adama (2)

  • Adriana Crespo

    Adriana Crespo (5)

  • Alexandre Valinho Gigas

    Alexandre Valinho Gigas (1)

  • Ana Margarida Battaglia

    Ana Margarida Battaglia (2)

  • Anabela Borges

    Anabela Borges (1)

  • Anami Randa

    Anami Randa (2)

  • António Cândido Franco

    António Cândido Franco (7)

  • António Gonçalves

    António Gonçalves (1)

  • António Maria Lisboa

    António Maria Lisboa (1)

  • António Mariano de Carvalho

    António Mariano de Carvalho (1)

  • António Quadros Ferreira

    António Quadros Ferreira (1)

  • Artur do Cruzeiro Seixas

    Artur do Cruzeiro Seixas (6)

  • Branca Clarissa Cicerone de Alão

    Branca Clarissa Cicerone de Alão (1)

  • Bruno Barbosa

    Bruno Barbosa (1)

  • Bruno Béu

    Bruno Béu (1)

  • Bruno Oliveira Santos

    Bruno Oliveira Santos (1)

  • Catarina Lourenço Bôto

    Catarina Lourenço Bôto (1)

  • Catarina Silva Nunes

    Catarina Silva Nunes (1)

  • Côta Seixas

    Côta Seixas (1)

  • Daliborka Kordić

    Daliborka Kordić (2)

  • Domingos Lucas Dias

    Domingos Lucas Dias (1)

  • Donis de Frol Guilhade

    Donis de Frol Guilhade (3)

  • Elsa Catarina Oliveira

    Elsa Catarina Oliveira (1)

  • Étienne Perrot

    Étienne Perrot (1)

  • Fátima Martins

    Fátima Martins (1)

  • Fátima Vale

    Fátima Vale (1)

  • Fernando de Castro Branco

    Fernando de Castro Branco (2)

  • Fernando Guimarães

    Fernando Guimarães (2)

  • Fernando Pessoa

    Fernando Pessoa (2)

  • Filipa Sottomayor

    Filipa Sottomayor (1)

  • Francisco Soares

    Francisco Soares (2)

  • Gabriel Rui Silva

    Gabriel Rui Silva (1)

  • Gilberto Lascariz

    Gilberto Lascariz (2)

  • Henrique Tavares

    Henrique Tavares (1)

  • Isabel Guimarães

    Isabel Guimarães (1)

  • Isabel Meirelles

    Isabel Meirelles (1)

  • Isabel Mendes Ferreira

    Isabel Mendes Ferreira (1)

  • Ivo Hoogveld

    Ivo Hoogveld (2)

  • Joana Lima

    Joana Lima (1)

  • João Casteleiro

    João Casteleiro (1)

  • João Henrique Alvim

    João Henrique Alvim (1)

  • João Rasteiro

    João Rasteiro (5)

  • Jorge Croce Rivera

    Jorge Croce Rivera (1)

  • Jorge Maximino

    Jorge Maximino (1)

  • Jorge Velhote

    Jorge Velhote (3)

  • Jorge Viotti

    Jorge Viotti (1)

  • José Almeida

    José Almeida (1)

  • José Emílio-Nelson

    José Emílio-Nelson (1)

  • José Manuel de Vasconcelos

    José Manuel de Vasconcelos (3)

  • José Marinho

    José Marinho (1)

  • José Pires F

    José Pires F (1)

  • José Valle de Figueiredo

    José Valle de Figueiredo (1)

  • Leonardo Valente

    Leonardo Valente (1)

  • Leonora Rosado

    Leonora Rosado (1)

  • Luís Filipe Pereira

    Luís Filipe Pereira (1)

  • Luís Manuel Gaspar

    Luís Manuel Gaspar (1)

  • Luísa Freire

    Luísa Freire (1)

  • Luiz Pires dos Reys

    Luiz Pires dos Reys (10)

  • Luiza Dunas

    Luiza Dunas (3)

  • m. parissy

    m. parissy (1)

  • Maluge Wango

    Maluge Wango (1)

  • Manuel Masini

    Manuel Masini (1)

  • Manuela Gonzaga

    Manuela Gonzaga (1)

  • Maria Afonso

    Maria Afonso (1)

  • Maria Eduarda Colares

    Maria Eduarda Colares (1)

  • Maria Estácio Marques

    Maria Estácio Marques (1)

  • Maria Irene Ramalho

    Maria Irene Ramalho (3)

  • Maria João Cantinho

    Maria João Cantinho (1)

  • Maria João Vasconcelos

    Maria João Vasconcelos (1)

  • Maria Jorgete Teixeira

    Maria Jorgete Teixeira (1)

  • Maria Sarmento

    Maria Sarmento (2)

  • Mário Assis Ferreira

    Mário Assis Ferreira (1)

  • Mário Rui Santos

    Mário Rui Santos (1)

  • Marzena Ablewska-Lech

    Marzena Ablewska-Lech (1)

  • Mater Lacrymarum

    Mater Lacrymarum (1)

  • Michael Maier

    Michael Maier (2)

  • Milene Vale

    Milene Vale (1)

  • Munássir Ebrahim

    Munássir Ebrahim (2)

  • Pablo Javier Pérez López

    Pablo Javier Pérez López (1)

  • Paulo Borges

    Paulo Borges (3)

  • Paulo Damião

    Paulo Damião (1)

  • Pedro Oom

    Pedro Oom (1)

  • Pedro Silva Carvalho

    Pedro Silva Carvalho (1)

  • Pedro Vistas

    Pedro Vistas (1)

  • Raquel Nobre Guerra

    Raquel Nobre Guerra (1)

  • Rastigat

    Rastigat (1)

  • Risoleta C. Pinto Pedro

    Risoleta C. Pinto Pedro (7)

  • Rita Taborda Duarte

    Rita Taborda Duarte (2)

  • Rodrigo Emílio

    Rodrigo Emílio (1)

  • Rui de Azevedo Teixeira

    Rui de Azevedo Teixeira (1)

  • Rui Falcão de Campos

    Rui Falcão de Campos (1)

  • Rui Lopo

    Rui Lopo (1)

  • Salvatore di Francco

    Salvatore di Francco (2)

  • Sílvia Franco Santos

    Sílvia Franco Santos (1)

  • Sofia de Azevedo Teixeira

    Sofia de Azevedo Teixeira (1)

  • Susana Chasse

    Susana Chasse (1)

  • Tiago Seixas

    Tiago Seixas (1)

  • Valter Nogueira

    Valter Nogueira (1)

  • Vitor Vicente

    Vitor Vicente (4)

  • Vlad Dumitrescu

    Vlad Dumitrescu (1)

  • Yannis Moreira

    Yannis Moreira (1)

  • Yvette K. Centeno

    Yvette K. Centeno (2)

  • NOVIDADE

    Penélope Desditosa ou de como ainda me enterneço com a inocência das asas

    0 out of 5
    (0)
    8,50 10,00

    Título   Penélope Desditosa ou de como ainda me enterneço com a inocência das asas
    Autor    Maria Jorgete Teixeira
    Colecção    Torre Gelada
    Formato   140 x 210 mm
    Nº páginas    48
    Imagem da capa    “Penelope at her Loom”, de Sir Sidney Harold Meteyard (1868 – 1947)
    Acabamento   Capa mole
    Ano    2023

    *

    Maria Jorgete Teixeira regressa à publicação com uma obra de poesia, neste que é o quarto título da sua bibliografia. Dividido em duas partes A ferida entre os lábios e O pescoço do tempo e a cidade, que definem porventura modos de olhar e de sentir diferenciados mas complementares, este novo livro revisita temas caros à autora: o amor, a mulher, a liberdade, a solidão e a morte, mas também a exaltação e a alegria.
    Num linguagem laboriosamente trabalhada, mas nem por isso menos vibrante, esta poesia, recolhendo os sulcos multivários da memória, com eles transfigura o quotidiano fugaz, em busca dos frutos mais perenes dos dias.

    Como a autora es creve num dos poemas do livro:
    |
    Sou essa ilha
    ancoradouro de aves peregrinas.
    Pousam e rasgam as falésias
    Saram os flancos
    e partem ao prever as invernias
    deixando a terra enxameada de saudade
    Tapo-me com o frágil manto da memória
    jangada perdida na avidez do mar.

    *

    *

    SOBRE A AUTORA

    MARIA JORGETE TEIXEIRA nasceu no Cunene, Angola. Frequentou o Liceu Nacional de Vila Real e mais tarde a Faculdade de Direito de Lisboa participando activamente nas lutas estudantis. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas e foi professora no Ensino Básico e Secundário.

    Publicou os seguintes títulos:

    O coração é puta sempre à espera (prosa poética), 2015.
    Mulher à beira de uma largada de pombos, à volta das canções de José Afonso (conto), 2017.
    A Solidão das Dunas, (poesia), 2019.
    A Faca e a Açucena (prosa diarística), 2023.

    Tem participação em várias antologias e colaboração dispersa em jornais e revistas. Em 2018, viu o seu conto “O retrato” ser seleccionado para a Antologia A Festa editada pelo Centro Mário Cláudio. Em 2019 e 2020, “Livra-te do Medo” e “A Clave de Sol” obtiveram, respectivamente, o 2º e 1º lugares no concurso de conto promovido pelo Museu do Aljube. Em 2022, foi uma das selecionadas pelo edital Linha de Apoio à Edição no Brasil da DGLAB, com apresentação na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, 2022, do livro Mulher à beira duma largada de Pombos pela editora Ibiliterrário.

    Vista rápida
  • Nessa morada como num bosque o vento, de Jorge Velhote

    0 out of 5
    (0)
    13,50 15,00

    Título   Nessa morada como num bosque o vento
    Autor   Jorge Velhote
    Formato  20 x 20 cm (badanas de 19 cm)
    Páginas  48 páginas
    Papel   120 g
    Ilustrações   Seis fotografias de Jorge Velhote
    Acabamento  Capa mole
    Data de publicação   2 de Maio de 2024

    ***

    Poeta com quatro décadas bem contadas de actividade literária, fotógrafo de reconhecidos méritos entre os seus pares, Jorge Velhote surge neste livro conjugando, uma vez mais, as duas linguagens da sua eleição. Fá-lo, como tem vindo a fazer, com magistral domínio dos materiais recíprocos destes dois esteios do seu laborioso processo criador.
    Tal como diz um dos textos deste livro: Com as palavras aprendemos a restaurar o silêncio, a espalhar nas dunas sementes, a olhar o mar. […] Aprendemos a respirar com a fragilidade das sombras e das neblinas, com o destino invisível da luz. Um pressentimento é tudo o que alcanças e o suor o que recebes.
    Nas intersticiais veredas, pois, deste seu permanente dialogar com a realidade e a imaginação, fermentadas na enseada em que se encontram a luz e o silêncio, a sombra e a palavra (“num labirinto a luz estabelece os seus meandros“), podemos dizer que o poeta fotografa ali onde o fotógrafo revela a poesia que emerge deste modo ambívio de olhar. E inversamente pois não há um primeiro que o outro.
    Ambos os olhares, o do poeta e o do fotógrafo, coexistem em Jorge Velhote como uma espécie de asa única que é só sua, asa apenas duplicada para que melhor possamos nós aceder à sua máquina de relâmpagos (2005) no longo mapear da luz plural (2015) que habita as coisas mínimas e outras coisas (2017)  e que, navegando naquele atrito de gotas (1982) que revela os sinais próximos da certeza (1983), nos permite ir ao âmago (2018) do invisível interminável (2018) e assim desembocarmos agora, na anteplenitude desta discreta mas decisiva viagem sua (e nossa), “nessa morada [em que] como num bosque o vento, procura[mo]s um lugar para os olhos” .
    Como alguém que já viu a penumbra das palavras e também a da vida, que já escutou o silêncio das coisas ali onde elas no seu limite bordam, delicada e decisivamente, o que conjuga o mistério de havê-las com o sentido de estarmos aqui, Jorge Velhote dá-nos, com este seu livro, não apenas um testemunho (uma vez mais, impressivo) do seu labor de dupla asa, mas sobremaneira deposita em quem o lê um marco seguramente miliário numa travessia bem pilotada através dos anos no caminho da vida.

    Vista rápida
  • Quando totalmente te perderes, saberás que és o caminho / When you totally lose yourself, you will know you are the way, de Paulo Borges (ed.bilingue)

    0 out of 5
    (0)
    12,50

    Título    Quando totalmente te perderes, saberás que és o caminho /When you totally lose yourself, you will know you are the way (ed. bilingue)
    Autor    Paulo Borges
    Colecção    Ouro Potável  | 10
    Fotografias   Adama
    Trad. p/ inglês   Nuno Castanheira
    Formato  150 x 210 mm
    Páginas    64
    ISBN  978-989-35148-4-9
    Acabamento   Capa mole
    Ano 2023

    *

    Neste seu novo livro, Paulo Borges percorre os seus temas maiores: vida, caminho, paz, amor, compaixão, perfeição e a inefabilidade que a tudo subjaz.  Pelo viés da linguagem profunda mas simples do seu verbo sagaz, o filósofo derrama nas mãos do leitor, ao longo da obra, a serenidade de um conjunto de pensamentos que remetem para o sentido da vida, o caminho a percorrer para dar sentido a tal Sentido, a paz chão e semente do amor e da compaixão, e de como a conjugação destes vários veios da prática de uma vivência sábia da existência humana, em harmonia com todos os seres e a Natureza, radica num modo de perfeição inefável e imperitura. Um livro para ler com vagar, que pode ser um precioso farol e um conselheiro silencioso, sempre ao alcance, no coração do bulício dos agitados dias que são os do mundo em que vivemos.

    *

     

    SOBRE O AUTOR

    PAULO BORGES é professor no Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e investigador do Centro de Filosofia da mesma Universidade. Professor de Medicina e Meditação e do Mestrado em Cuidados Paliativos na Faculdade de Medicina da mesma Universidade. Coordenador do Seminário Permanente Vita Contemplativa. Práticas Contemplativas e Cultura Contemporânea, no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. Sócio-fundador e membro do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira. Membro correspondente  da  Academia   Brasileira  de   Filosofia.  Ex-presidente da União Budista Portuguesa e da Associação Agostinho da Silva. Cofundador do projecto Visão Pura e do Santuário e Centro de Retiros Dewachen. Presidente da Associação Tergar Portugal.
    Autor de centenas de comunicações e conferências, artigos e outros textos em revistas científicas e obras colectivas, publicados em Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Croácia, Roménia, Turquia, Reino Unido, EUA, Brasil, Colômbia, Macau e Timor. Autor e organizador de 65 livros de ensaio filosófico, aforismos, poesia, ficção e teatro, publicados em Portugal, Espanha, Reino Unido e Brasil, sendo o mais recente Presença Plena. Uma viagem meditativa, terapêutica e filosófica pelas cinco energias da Vida (2023, 2ª edição).
    Doutor Honoris Causa pela Universidade Tibiscus de Timisoara (Roménia), em 2017. Prémio Ibn Arabi – Taryumán 2019, atribuído pela Muhyid-din Ibn Arabi Society Latina, em 2019, na Universidade da Mística, em Ávila.

    Vista rápida
  • O Servo do Amor – A Introdução das Ordens Sufis na Índia, de Munássir Ebrahim (org.)

    0 out of 5
    (2)
    17,50

    Título   O Servo do Amor – A Introdução das Ordens Sufis na Índia
    Autor   Munássir Ebrahim
    Prefácio   José Manuel Anes
    Introdução   Yiosuf Adamgy
    Colecção   Tubo de Ensaios
    Formato   150 x 230 mm
    Páginas   136 págs. profusamente ilustradas.  Inclui um glossário islâmico com mais de uma centena de verbetes.
    Acabamento   Capa mole
    ISBN  978-989-35148-1-8
    Ano   2023

    *

    Cem anos depois de Genghis Khan ter derrotado os muçulmanos, o Islão reconquistou os conquistadores. Os mongóis que haviam destruído Bukhara e Bagdad tornaram-se, eles próprios, porta-estandartes do Islão. O mesmo impulso que levou o Islão para ocidente, em direcção à Europa, criou novas raízes na Índia e na Indonésia, deslocando o seu centro de gravidade do Cairo e Damasco para Lahore e Kuala Lumpur, espalhando-se assim no séc XIII na Índia e no Paquistão, pela acção dos grandes shaykhs sufis. Os shaykhs sufis do século XIII não eram comerciantes de fé. Eram homens intoxicados pelo amor de Deus, servindo a humanidade independentemente do credo ou da nacionalidade e partilhando a sua generosidade espiritual com quem quer que dela quisesse beneficiar. Os muçulmanos precisavam desta espiritualidade tanto quanto os hindus e os budistas.
    Foi neste contexto que Hazrat Khwaja Moinuddin Chishti foi para a Índia. Geralmente tido como a fonte dos movimentos espirituais islâmicos na Índia e no Paquistão, e figura porventura menos conhecida e estudada que outros líderes espirituais Sufis, tais como Ibn Arabi, Algazali, Rumi, Suhrawardi ou Attar, Hazrat Khwaja (também conhecido como Moinuddin Chishti) foi o fundador da Ordem Chishtiya, e o grande responsável pela disseminação das práticas sufis na Índia e no Paquistão.
    Nascido em 1139, o seu incomum percurso de vida fizeram com que se cruzasse com alguns dos maiores mestres espirituais Sufis do seu tempo, como Khwaja Usman Harooni e Shaykh Abdul Qader Jeelani. O encontro, determinante, com o
    dervixe Ebrahim Qandooz despertou no jovem Khwaja a luz da sabedoria e do conhecimento. De tal forma, que vende todos os seus bens, distribui o dinheiro pelos pobres, e parte em resposta a um chamamento interior inabalável. Isso conduzi-lo-á até à Índia, onde aprende o sânscrito e o hindi para poder comunicar a via Sufi. Percorrendo o subcontinente a partir do norte, fixou-se em Ajmer, cidade que viria a tornar-se centro de um movimento Sufi que ajudou a espalhar a todos os cantos da Índia e do Paquistão.
    Num amplo e criterioso conjunto de fontes organizadas em antologia por Munássir Ebrahim, tem este livro o propósito de dar a conhecer a vida e a obra de Hazrat Khwaja, e os caminhos de expansão das Ordens Sufis na Índia, passando a ser entre nós título fundamental de consulta e referência bibliográfica nos estudos dedicados ao Sufismo. Com prefácio de José Manuel Anes, uma das figuras mais destacadas em religiões comparadas e nas componentes místico-esotéricas das diversas tradições espirituais do mundo, o livro tem introdução de M. Yiosuf Mohamed Adamgy, director da revista e editora
    Al Furqán.

    *

    O AUTOR

    MUNÁSSIR EBRAHIM é Jurista. Licenciado em Direito pela Universidade Moderna de Lisboa (2001) com a Especialização em Jurídico-Económicas, Pós-Graduado em Ciências Jurídicas com as Especializações em Jurídico Civis e Jurídico Penais
    pela Universidade Católica de Lisboa (2009), Mestre em Direito das Empresas com a Especialização em Jurídico Comercias pelo ISCTE-INDEG Business School (2012), exerceu funções desde 2002 até ao presente como Jurista de Empresas na Área do Desenvolvimento e Cooperação Internacionais. Entre 2001 e 2015, exerceu diversos cargos e funções na Comunidade Islâmica de Lisboa, nomeadamente na Mesa da Assembleia Geral, Conselho Fiscal e Direção, com destaque para a criação do Gabinete de Apoio Jurídico (GAJ), de que foi membro fundador em 2004, da Comissão de Revisão Integral dos Estatutos da Comunidade Islâmica de Lisboa (2006), e por diversas vezes Presidente das Mesas de Voto. Em 2002, iniciou a colaboração como investigador no departamento de Ciências das Religiões da Universidade Lusófona e desde 2016 é investigador efectivo pro bono da Universidade Lusófona.  Foi dirigente associativo na universidade, tendo sido Presidente e Representante dos alunos de Direito no Conselho Pedagógico da Universidade (1999-2001) e Membro da ELSA (European Law Student Association). Colabora com a Amnistia Internacional na área dos Direitos Humanos e é também tradutor oficial da CIMO – Comunidade Islâmica de Moçambique, uma instituição religiosa muçulmana Sunnita de carácter Sufi. É autor de diversos ensaios, desde temas místico-religiosos a temas económicos e jurídicos. Tem 12 traduções no prelo sobre Islamismo na perspectiva Sufi, traduzindo maioritariamente DR. PHD Fazlur Rahman Ansari e Abdool Alleem Sidiqui. Esta obra é o seu segundo trabalho de vulto na temática do Sufismo, na sequência da Antologia do Sufismo – A Espiritualidade dos Jardineiros Divinos de Deus (Edições Hórus) e resulta em grande parte da sua vivência espiritual e do aprendizado que tem como investigador em Ciências das Religiões na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

    *

    Publicou as seguintes obras:
    A regra de julgamento de negócios no direito societário português e o reflexo das decisões dos administradores (2016)
    Os meninos e as meninas das casinhas das árvores (2019)
    Quartetos Místicos – Poemas Espirituais Sufis ( 2022)
    Luca Said and the Mermaids of Marbella (2022)
    Pelas Tuas Cidades da minha Alma (2023)
    A Espiritualidade dos Jardineiros Divinos de Deus – Sufismo, Antologia (2023)

    *

    Tem no prelo:

    • Com a chancela Edições Sem Nome:

    Labbaykka – Aqui estou eu Senhor
    Os Sete Pilares da Sabedoria
    Simurgh – Trinta Pássaros e os Sete Vales do Amor

    • Noutras editoras:

    Nicotina e o Cigarro contra a Lei (e-book)
    Minutas de contratos jurídicos aplicáveis aos países de língua e expressão portuguesa (e-book).

     

    Vista rápida
  • As Trevas e os Dyas seguido de Sonetos Místicos Assituados, de Francisco Soares

    0 out of 5
    (0)
    10,00

    Título  As Trevas e os Dyas seguido de Sonetos Místicos Assituados
    Autor    Francisco Soares
    Colecção    Ouro Potável
    Formato  13,5 x 21 cm
    Nº páginas    64
    Imagem da capa   “Nyx (noite) e suas duas filhas Éter e Hemera” de Henry Fuseli (1741-1825)
    Acabamento  Capa mole
    Ano    2023

    *
    Poeta de palavra rara e verbo arqueológico, Francisco Soares oferece-nos neste novo livro duas recolhas em tudo singulares.
    Em As Trevas e os Dyas respira-se uma atmosfera de aroma teogónico, em que perpassam temas como a noite primordial, a luz do princípio, a primeva sombra, o silêncio anteprimeiro, o tempo imemorial, mas também a terra e o fogo, o corpo e a nudez, os favos de mel, os lagos e o sonho, a alma e o silogismo imaterial do amor.
    Em Sonetos Místicos Assituados, por seu lado, deparamos com um conjunto de sonetos de uma perfeição formal como hoje raramente encontramos na poesia portuguesa. Nestes textos, é mística sobretudo a dinâmica de rel[lig]ação do sujeito com as profundezas do inter-locutor interno, que se cruza com o Outro supremo — ora na prece, ora numa certa forma de contemplação da vida a partir do recesso primordial da existência.
    Este é um livro que solicita uma leitura detida, quase ruminada, digerida num centrado recolhimento que, só ele, confere acesso ao espírito que paira e poisa, aqui e ali, inefável mas intensamente, por entre as trevas que nos visitam e a luz dos dias que, entre a pertença e o retorno, edificam em nós a liberdade intacta e um destino maior.

    *
    O AUTOR

    A vida é uma ficção. Qualquer nota biográfica a resume. Francisco Soares nasceu em Lisboa e em Benguela. Cresceu, formou-se e viveu no triângulo luso-falante do Atlântico. A poesia deste livro, como dos anteriores, interage com tais vivências, fluidas, indefinidas, radicadas e alentadas para o que mais importa. Escrita primeiro ao longo da década de 1980, continua longas e frutíferas conversas sobre a Arte Antiga, tidas com peregrinos ainda hoje no caminho e um que partiu para mais longe. Sem nomes, pese embora a caligrafia que também dá sinal dos meus ritmos.

    Os outros títulos de poesia publicados foram:

    Disperso & Vário (Lisboa, Edições Átrio, 1993)
    Fábula da captação do elemento desvairado (Lisboa, Edições Átrio, 1995)
    Restauração (Mafra, Edições Sem Nome, 2020)

    Vista rápida
  • Alma d´Hybris |  Tomo II  :  Livro de Saudades do futuro, de Maria Sarmento

    0 out of 5
    (0)
    20,00

     

    Título  Alma d´Hybris |  Tomo II  :  Livro de Saudades do futuro
    Autor   Maria Sarmento
    Colecção   Opus Magnum
    Imagens da capa e badanas   António Couvinha  |  aguarela sobre papel
    Ilustrações a cores    António Couvinha  |  oito aguadas a café sobre desenho a tinta da china
    Fotografia     José M. Rodrigues  |  fotografia da autora
    Formato   150 x 220 mm
    Páginas   128 págs
    Acabamento   Capa mole
    ISBN   978-989-35148-3-2
    Ano   2023

    *

    Este segundo tomo da trilogia Alma d’Hybris, no seguimento embora do volume inicial do ciclo, Símile e Súmula (de Jardins), não constitui simples sequência dos temas, fontes e modelos do título inicial. O texto, tal como Maria Sarmento o entende e escreve nas palavras que servem de antecâmara à presente obra, constitui-se num processo que é sempre uma rasura e uma dissolução. Uma incessante reescrita. A memória do escrito tem várias fontes e delas o poeta bebe e nunca se sacia. Nenhuma é a singular imagem da realidade, menos ainda a sua fiel representação, e nenhuma o modelo da fonte original.
    As vozes que habitam estes textos são acrónicas, atemporais e múltiplas. São a metáfora de um tecido do mundo feito de rasgões e de suturas, de sobreposições e entrelaçamentos. O poeta reconstrói a tessitura do mundo. […] É no lugar da imaginação que se geram as paisagens que se avistam do texto. Elas resultam da transformação de sentidos que o poeta dá a ler ao deslocar o símbolo, que integra uma memória, para o lugar onde o poeta constrói os labirínticos caminhos por onde segue o texto e o leitor.
    Nas palavras de António Cândido Franco, o que Maria Sarmento põe a descoberto na sua poesia é o itinerário que vai da terra labirinto ao jardim edénico ou da rosa de carne e de porcelana à rosa de oiro e de luz – o passo que vai do sofrimento do sangue ao fogo incriado e inefável. A poesia aqui cumpre-se, pois, como ponte e errância para o indizível. É uma alquimia que transmuta o tempo e o ruído em silêncio e permanência.
    E remata: a poesia visionária de Maria Sarmento é um caso raro que sinaliza a presença entre nós da grande arte poética operativa.
    Este tomo segundo é o retomar, pela autora, de uma tal viagem imperitura. E é também um convite ao leitor, a que faça a sua própria, no sublime viático desta obra.

    *
    SOBRE A AUTORA
    MARIA SARMENTO nasceu em Torres Novas. Vive desde 1975 em Évora. Licenciada em Português/Francês pela Universidade de Évora, fez Mestrado em Literaturas Românicas Modernas e Contemporâneas com uma dissertação sobre a temática da Natureza em Fernando Pessoa, que defendeu na FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Leccionou no Ensino Básico e Secundário até 2021. Tem colaboração dispersa em revistas e jornais nacionais e estrangeiros.
    *
    Publicou, na área da poesia:
    Escrita na Pele, 1980.
    Água na Pedra [em colaboração], 1984.
    Poetas Alentejanos do Século XX [antologia], 1984.
    ‘Ao Piano do Tempo’, in Margens [volume colectivo], 1992.
    Duplo Olhar [em colaboração], 1997.
    Memória das Naus, 1999.
    O Silêncio e as Vozes, 1999.
    3 Poetas 30 poemas, 2007.
    Antologia de Poetas Torrejanos, 2008.
    Áureas, (pinturas de Gaëlle Pelachaud e textos de Maria Sarmento em edição bilingue), 2018.
    Alma d´Hybris |  Tomo I  : Símile e Súmula (de jardins), 2022.
    *
    Integra, desde 2010, o Conselho editorial da revista Cultura ENTRE Culturas.
    Tem colaboração dispersa na rede e em papel.
    Criou dois blogues, Saudades do Futuro e Jardim de Saudades, actualmente desactivados.
    Vista rápida
  • Criogenia de D. ou manifesto pelos prazeres perdidos, de Leonardo Valente

    0 out of 5
    (0)
    12,50

    Título   Criogenia de D. ou manifesto pelos prazeres perdidos
    Autor   Leonardo Valente
    Colecção   Torre Gelada
    Prefácio   Pilar del Río
    Imagem da capa e ilustrações    Ismael Nery (1900-1934)
    Formato   150 x 210mm
    Páginas   132 págs
    Acabamento   capa mole
    ISBN 978-989-35148-2-5
    Ano    2023

    |

    SOBRE A OBRA

    criogenia de D. ou manifesto pelos prazeres perdidos é um texto que pode ser lido como um romance de muitos personagens ou de apenas um. Com uma narrativa plena de referências e de forte introspecção, a obra tem a capacidade de dissecar em profundidade a narradora (aqui e ali, também narrador) sem descrever o que tem de mais básico, ao mesmo tempo que vinca na sua personalidade algumas das grandes questões e dilemas do nosso tempo. Liberta de convenções textuais, a narrativa é contada também pelo próprio corpo físico do livro, na relação entre a palavra e a página, pelos espaços em branco e pelo tamanho das fontes, mas principalmente pelo grande risco, quer de tornar-se escrita quer de deixar-se envolver por ela.
    Tal como diz  a/o protagonista: repito com todas as letras que sou uma farsa, confiar no que escrevo é uma temeridade. confiar  na  escrita  é  um  exercício  insano. desnudar-me, na verdade, é tornar-me ilegível.
    Quarto livro do Leonardo Valente, esta obra conhece um sucesso enorme no Brasil. Encontrando-se traduzida em cinco países, foi igualmente adaptada para teatro.

    Leonardo Valente falando sobre o livro com Tadeu Rodrigues, no Podcast Rabiscos
    Leonardo Cazes (jornalista) à conversa com a escritora Maria Valéria Rezende e o autor, a propósito deste livro
    Entrevista de Leonardo Valente à professora universitária, escritora e jornalista cultural Regina Zappa

    |

    SOBRE O AUTOR

    Leonardo Valente nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, em 1974. Tem quatro romances publicados: Apoteose (2018), O beijo da Pombagira (2019), finalista do Prémio Rio de Literatura, Calote (2020), criogenia de D. ou o manifesto dos prazeres perdidos (2021), que alcança um sucesso estrondoso no Brasil e, já este ano, bem recentemente saiu relicário de cuspes. Em 2017, foi um dos vencedores do Prémio José de Alencar de melhor romance, da União Brasileira de Escritores, com um original ainda inédito. Foi um dos organizadores da coletânea Antifascistas (2020), que reuniu alguns dos mais importantes nomes da literatura lusófona, e tem textos ficcionais dispersos por diversas publicações. Jornalista e doutor em Ciência Política, é professor de Relações Internacionais da UFRJ.

    Vista rápida
  • Oito Entrevistas da Morte, de António do Carmo Reis

    0 out of 5
    (0)
    12,50

    Título   Oito Entrevistas da Morte
    Autor   António do Carmo Reis
    Colecção   Heteróclita e guerra (coord. Rui de Azevedo Teixeira)
    Formato   150 x 235 mm
    Páginas   128 págs
    Acabamento   Capa mole
    ISBN   978-989-53854-4-7
    Ano   2023

    |
    *
    |
    SOBRE A OBRA

    É este um livro incomum.  Nele encontramos oito entrevistas da Morte. “São da Morte que fala com os vivos. Colocam, situam o vivo na lógica do termo da existência, na circunstância única em que não há preconceito, pressuposto, subterfúgio, vantagem ou o contrário. Chega a hora em que não há discurso dominante nem conveniente, interesse de estatuto alcançado, preocupação com deixar imagem para o futuro. A hora em que o diálogo está despojado de mito, artifício, medo e vaidade.  A Morte não interroga, nem julga, nem prevê. Apenas aviva a memória a quem responde. É sempre a Morte que começa o diálogo. A Entrevista está no centro. Na verdade, nunca aconteceu. Mas, como o historiador tem o direito à imaginação, elege o agente para realizar uma proposta – a de fazer a interpretação da personagem. Elege a Morte. E, não sendo o trabalho realizado uma narrativa curial de biografia, cada Entrevista está colocada em seu contexto, razão por que aparece envolvida pela síntese de reconstituição da época, por apontamentos de cronologia, pela notícia do óbito, pelos excertos que fazem os epitáfios e o in memoriam – quadros de um painel que trazem a informação da circunstância ao retrato dos entrevistados. Contexto imediatamente apreensível, por ser o que envolve um friso de gente conhecida, a maior parte inclusa no círculo mediático.”(Do Prefácio do autor)
    Surge assim, neste novo livro de António do Carmo Reis, com o sedimento do necessário e suficiente rigor científico e a credibilidade do olhar do historiador, uma sequência de entrevistas, não tão imaginárias ou improváveis quanto isso, a figuras bem conhecidas do público, de perfil e personalidade, vocação e função social ou destino político bem diversos.  E o que vemos é que em todos pulsam antecedentes, causas, motivos, razões ou argumentos para terem sido o que foram ou não foram, terem feito o que fizeram e terem-nos deixado o legado que nos deixaram.
    Obra verdadeiramente invulgar e incomum, a merecer uma leitura apaixonada mas liberta de sectarismos.

    Vista rápida
  • Cantos de Desamor, de Pedro Vistas

    0 out of 5
    (0)
    11,00

    Título    Cantos de Desamor
    Autor   Pedro Vistas
    Colecção    Ouro Potável
    Formato   140 x 210 mm
    Páginas   68 págs
    Fotografia da capa   © Ana Alves
    Imagem página ante-rosto   Gravura de Marold, in Werther, de Goethe, Paris, E. Dentu Éditeur, 1892.
    Acabamento   Capa mole
    ISBN  978-989538540-9
    Ano   2023

    ||

    Obra de uma intensa dramaturgia onde duas vozes litigam; uma em aproximação à poesia, outra tendendo à prosa, sem nunca se fixarem. Professando Amor, a primeira, Desamor a segunda, numa pugna que, mais do que conceptual, se descobre surpreendente teomaquia.
    Neotrovadorismo metafísico, literatura gótica-punk de jaez filosofal, ultrarromantismo sacrificado no altar do pensamento…
    Literatura nova sobre o novo, inclassificável sob categorias previstas numa época de enjoo cartográfico, lê-la será navegar no Desconhecido. Ainda é possível.
    [Do Prefácio jamais escrito.]

    ||

    Sobre o Autor

    Pedro Vistas tem-se dedicado ao ensino e à investigação em filosofia, afirmando-se com esta obra inaugural como uma voz literária ímpar.

    Vista rápida
  • As Cinco Estações, de Risoleta C. Pinto Pedro

    0 out of 5
    (0)
    15,00

    Título    As Cinco Estações
    Autor   Risoleta C. Pinto Pedro
    Colecção    Ouro Potável
    Formato   140 x 210 mm
    Páginas   76 págs
    Extratextos   Seis ilustrações a cores e duas a preto reproduzindo pinturas chinesas alusivas às estações do ano,
    Acabamento   Capa mole
    Ano   2023

    Escreve António Carlos Carvalho na nota inicial a este livro:

    Esquecemo-nos muitas vezes, ou até ignoramos, que os dois povos mais antigos são os chineses e os judeus e que as duas sabedorias têm pontos em comum — por exemplo, a importância excepcional atribuída aos números, ao espírito dos números. Para a China há cinco estações, assim como há cinco montanhas sagradas, cinco cores, cinco sabores, cinco tipos de relações sociais, cinco direcções do espaço (o centro é a quinta direcção), cinco elementos, cinco traços do pincel, etc. Obsessão pelo cinco? Não, alegorias numéricas, bem presentes na Cidade Proibida ou no Templo do Céu, em Pequim. Os algarismos não têm valor de número, mas sim de emblema do conjunto que caracterizam. O cinco representa a organização, preside às mutações. É a marca da renovação. É o emblema da posição central, do centro vazio, do meio justo.
    O cinco é fundamental também na tradição judaica: os cinco rolos, os cinco livros da Torah, os cinco graus da alma (o quinto é a santidade, a quinta dimensão). Porque não há aí algarismos — as letras têm valor numérico simbólico, a quinta letra, o Hê, vale cinco, e é a segunda letra e a última do Nome divino impronunciável, IHVH. A mesma letra que muda a vida e o destino de Abram e Sarai, depois chamados Abraham e Sarah. Letra do feminino, fonte da fecundidade, serviu para criar o mundo. Serviu também para se poder falar do futuro Quinto Império (como Pessoa bem sabia). Mas, para entendermos tudo isto, temos de nos tentar afastar do Reino da Quantidade.

    Pela via poética, mostra-nos esta obra de Risoleta C. Pinto Pedro muito acerca da importância do número, do símbolo e do arquétipo no domínio da natureza e na vida do homem, mas também os nomes e alguns reveladores mistérios dos períodos do ano, e de como o tempo da natureza deve ser o “relógio” com que a alma humana deve acertar os ritmos dos dias da vida e dos anos da alma, com o horizonte, mais vasto, do Céu e do Espírito maior, que tudo ordena.

    Vista rápida
  • Kronos InVersus, de Risoleta C. Pinto Pedro

    0 out of 5
    (0)
    8,00

    Título    Kronos InVersus
    Autor   Risoleta C. Pinto Pedro
    Colecção    Ouro Potável
    Formato   135 x 210 mm
    Páginas   40 págs
    Acabamento   Capa mole
    Ano   2023

    Poucos, se não mesmo raros, são hoje os poetas cuja utilização da forma soneto não seja manifesta apenas na mera apresentação gráfica de peças com os costumeiros catorze versos. Fica por aí o… soneto. Não assim a autora deste livro. A tal não será porventura alheio a sua formação musical, com um apurado sentido do ritmo e da medida. Porém, sem o ouvido interno e uma altamente disciplinada capacitação do aparato formal e técnico, não nos daria Risoleta C. Pinto Pedro neste livro linhas como as do soneto oitavo desta colheita:

    Hoje busco com olhar de grito/ Impaciente, entre o povo aflito, /A barca salvadora que nos erga,/ Mas que meu pequeno mundo não enxerga.// Importante é chegar ao céu sereno/ Que debaixo dos pés em breve aceno/ Me cativa, me atrai, me desarvora./E capturo em azul quem me devora.// De aliança é a ditosa arca,/ No coração me pousa e em mim embarca/ O que teme sem saber do mal o odor. // Me compete e enfim a missão cumpro, /De resgatar o infinito assombro/ Com que a Nave passou o Bojador.

    Vista rápida
  • Os Padres Desterrados – A perseguição à Igreja em Espinho na 1ª República, de Bruno Oliveira Santos

    0 out of 5
    (0)
    14,40 16,00

    Título   Os Padres Desterrados – A perseguição à Igreja em Espinho na 1ª República
    Autor   Bruno Oliveira Santos
    Colecção   Heteróclita e guerra (coord. Rui de Azevedo Teixeira)
    Formato   150 x 235 mm
    Páginas   204 págs
    Acabamento   Capa mole
    ISBN   978-989-35148-0-1
    Ano   2023

    |
    *
    |
    SOBRE A OBRA

    Crónica consagrada às ideias e pensamento da sociedade portuguesa de inícios do século XX, este livro traz a lume a questão da transformação da vida mental e social portuguesa no seguimento da proclamação da República de 5 de Outubro de 1910, através de um acontecimento histórico anti-natural, estranho ao corpo pátrio, que representou o culminar de um longo processo de desnacionalização cultural e de laicização da sociedade portuguesa. Escrevendo numa prosa de sabor camiliano e vincada mordacidade queirosiana, Bruno Oliveira Santos socorre-se da realidade local de Espinho e de uma panóplia de personalidades históricas – nacionais e estrangeiras –, para narrar a violenta perseguição religiosa de que foi vítima a Igreja Católica em Portugal, na sequência da tomada do poder por uma elite republicana completamente divorciada do ethos e fundo religioso do povo português. Esta obra desafia a reposição da verdade histórica, apontando o dedo ao jacobinismo maçónico-liberal que, há pouco mais de um século, nos procurou impor uma espécie de “Lei da Memória”, destinada a reescrever a nossa História e a reconfigurar os nossos mitos fundacionais.
    (do texto de badana de José Almeida)
    |
    A obra inclui um anexo documental com um importante acervo em reprodução fac-simile.

    |

    ******

    |

    SOBRE O AUTOR

    Bruno Oliveira Santos, natural de Espinho, é autor de Histórias Secretas da PIDE/DGS (2000), Nova Frente – Textos da Blogosfera (2006) e co-autor de Linhas de Fogo – Manifesto de Cultura Lusíada para o Terceiro Milénio (2001).
    Organizou a Antologia Poética de Rodrigo Emílio (2009) e tem colaboração dispersa por vários jornais e revistas. 

    Vista rápida
  • ESGOTADO

    Porto de Mós, de Rastigat (Esgotado na editora)

    0 out of 5
    (0)
    16,00
    Título  Porto de Mós
    Autor   Rastigat
    Colecção   Sangue na guelra
    Imagem da capa (créditos)    Raquel Montez
    Formato   150 x 220 mm
    Páginas   192 págs
    Acabamento   Capa mole
    Ano   2023
    (A edição da obra foi apoiada pelo Município de Porto de Mós.)
    *
    SOBRE A OBRA

    Tudo começa com uma visita guiada ao centro histórico de Porto de Mós. De determinados locais emerge um passado de memórias, vozes que se erguem, ainda vivas, da infância e da adolescência. A família, os amigos, a escola, a juventude, os animais, os cafés, a vida nocturna, o Castelo e o Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros dão corpo a uma polifonia narrativa: a adolescência, com as suas descobertas, os encontros e desencontros, as peripécias. Um conjunto de personagens, até então tornadas invisíveis ou apenas silenciadas,  retratam de algum modo o tecido social e político de uma vila tradicional portuguesa. O enredo do livro decorre no período de um só dia, numa trama bem urdida ao longo da qual se irão revelando aspectos porventura mais inesperados e sombrios da vila e seus habitantes.
    A obra inaugura a colecção Sangue na guelra, destinada a acolher novos autores.

    *

    SOBRE O AUTOR

    Rastigat.

    Vista rápida
  • O Pacto Diabólico – Reverso do Pacto de Salvação, de Domingos Lucas Dias

    0 out of 5
    (0)
    15,00

    Título   O Pacto Diabólico – Reverso do Pacto de Salvação
    Autor   Domingos Lucas Dias
    Colecção   Heteróclita e guerra (coord. Rui de Azevedo Teixeira)
    Formato   150 x 235 mm
    Páginas   168 págs
    Acabamento   Capa mole
    ISBN   978-989-53854-3-0
    Ano   2022

    ***

    Sobre a obra
    Posto perante uma dificul­dade subjectivamente intransponível,  qualquer que seja o seu estatuto, o ser humano tende a procurar recorrer a uma entidade ou instância supe­rior a quem soli­cita auxílio. A resposta é em regra afirmativa, mas condicio­nal. Atendida a condição, efectiva-se o favor. Esquematica­mente é este o processo que conduz à assinatura do pacto com o diabo, ou de qualquer outro processo de corrupção do outro e venda de si mesmo. O pacto diabólico, especificamente, exclusivo de uma cultura com uma perspec­tiva salvífica, é por natureza um pacto segundo, que pressu­põe e se constrói à imagem contrapolar do pacto divino. A estrutura do pacto diabólico não se reduz, no entanto, à criação de condições para a sua assinatura. Esse é apenas o primeiro qua­dro, que prepara a sua finalidade e intencionali­dade. A assinatura do pacto significa uma queda. O amor e a misericór­dia divinos (num contexto espiritual) ou o remorso (num contexto mais genérico) ao suscitarem o arrependi­mento no espí­rito do ser caído ou corrompido, desencadeiam um pro­cesso de regeneração que constitui o segundo quadro, o da vitó­ria sobre o mal.
    Tomando como modelo do pacto a legenda de Teófilo, Domin­gos Lucas Dias analisa as fontes (escriturísti­cas, hagiográficas e literárias) do tema, percorrendo sucessivamente a história de Proté­rio e a lenda de Cipriano e Justina, a Vida de S. Frei Gil e o Doutor Fausto de Christopher Mar­lowe.
    Esta é uma obra apaixonante que consegue agarrar-nos, com profundidade mas num estilo cristalino, através de um tema difícil mas de todos os séculos, imortalizado por Goethe e revisitado por Fernando Pessoa.

    ***

    Sobre o autor

    Domingos Lucas Dias nasceu em Arcos, Montalegre, em 1941. Ingressou na Escola Claustral do Mosteiro de Singeverga (beneditino) em 1956. Em 1967, depois de estudos de filosofia e teologia, é incorporado em Mafra no curso de preparação de oficiais milicianos, passando depois para Santarém. Mobilizado em Dezembro desse mesmo ano, frequenta em Lamego o curso de operações especiais. Em Julho de 1968 parte para Moçambique. Retorna a Portugal em Setembro de 1970 e, depois de frequentar Direito, ingressa no curso de Filologia Clássica da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, curso que conclui em 1976. Em 1994, após carreira no sector bancário, retoma e finaliza o mestrado iniciado nos anos 1980.

    Em 1998 torna-se professor da Universidade Aberta e, de seguida, inicia a tradução das Metamorfoses de Ovídio, editada em edição bilingue, em dois volumes (2006 e 2008). Em 2017, a obra é editada no Brasil. A convite do reitor do Santuário de Fátima, realiza, em colaboração com Arnaldo do Espírito Santo, João Beato e Maria Cristina de Sousa Pimentel, a tradução do De Trinitate de Santo Agostinho, obra publicada em 2007, e que recebe o Prémio de Tradução da União Latina. Em 2011, é publicada a sua tradução da obra de Rodrigo de Castro, Medicus Politicus – O Médico Político. Em 2014 sai a público, pela Imprensa da Universidade de Coimbra, a sua tese de doutoramento, com edição crítica e fixação do texto latino, introdução, tradução e notas, do Apocalypsis Nova, do Beato Amadeu da Silva (1420-1482), conselheiro do papa Xisto IV. Em 2018, é dada a lume a sua tradução de dois opúsculos de Santo Agostinho, De Mendacio e Contra Mendacium. Em colaboração, publica também o Tratado sobre a Dor, de Filipe Montalto (1567-1616).

     

    Vista rápida
  • A guardiã das coisas perdidas, de Sofia de Azevedo Teixeira

    0 out of 5
    (0)
    15,00

    Título   A guardiã das coisas perdidas e outras histórias inimagináveis
    Autor   Sofia de Azevedo Teixeira
    Colecção   Histórias sem Carochinha
    Imagem da capa    Giovanni Battista Ferrari, in Hesperides sive de Malorum Aureorum cultura et usu. Libri Quatuor, 1646.
    Ilustrações  a cores    Obras de Botticelli, Piranesi, Fragonard, Whistler, Raffaëlli, Rembrandt, Altdorfer, Riedel e Redon.
    Formato   140 x 210 mm
    Páginas   128 págs
    Acabamento   Capa mole
    ISBN   978-989-53854-2-3
    Ano   2022

    *
    *

    Com cultores tão díspares e geniais como Cervantes, Edgar Allan Poe e Oscar Wilde, Tchekov, Jorge Luis Borges e Lovecraft, Aquilino Ribeiro, Sophia e Saramago, Machado de Assis, João de Araújo Correia e Júlio Cortázar, Rilke, Hélia Correia ou Clarice Lispector, entre tantos outros — a verdade é que o conto é tido como um género, de algum modo, menor. E, todavia, é unânime desde sempre a dificuldade do género. Para Eça de Queirós, no conto tudo precisa ser apontado num risco leve e sóbrio: das figuras deve-se ver apenas a linha flagrante e definidora que revela e fixa uma personalidade; dos sentimentos apenas o que caiba num olhar, ou numa dessas palavras que escapa dos lábios e traz todo o ser; da paisagem somente os longes, numa cor unida. Percebe-se a dificuldade, a exigência extrema e a necessidade de dominar a capacidade de síntese em cada frase. Um conto — diz, por seu turno, Júlio Cortázar — desloca-se no plano humano em que a vida e a expressão escrita dessa vida travam uma batalha fraterna; e o resultado de tal batalha é o próprio conto, uma síntese viva e ao mesmo tempo a vida sintetizada, algo como o tremor da água dentro de um cristal, a fugacidade numa permanência. Neste conjunto de contos, Sofia de Azevedo Teixeira logra esse tão difícil equilíbrio entre o pessoal e o universal, o real e o onírico, pondo em fecundo diálogo a verdade e a imaginação, o deslumbramento e o mistério, manobrando com notável mestria e competência a difícil arte de contar.

    ***

    Sobre a autora

    Sofia de Azevedo Teixeira é natural de Argivai, Póvoa de Varzim. Licenciada em História (ramo Científico e ramo Educacional), tem formação em Escrita Criativa no Instituto Camões/EC.ON. Foi colaboradora externa da Biblioteca Municipal Rocha Peixoto. Tem-se dedicado mormente ao conto, à monografia, entre outro géneros. Professora de História, é formadora de escrita criativa em escolas, bibliotecas e em cursos online. É, desde 2012, colaboradora do jornal MAIS Semanário. Exerce o voluntariado.

    ***
    Livros publicados

    Os Penedos dos Guizos, 2008.
    Terras de Ninguém, 2015.
    Argivai, Viagem pela sua história, 2018.
    Contos do Imaginário, 2018.
    A Ribeirinha, 2021.

     

    Vista rápida
X