Ensaios de Espelho, de Rui de Azevedo Teixeira

18,50

Título   Ensaios de Espelho
Autor   Rui de Azevedo Teixeira
Colecção   Heteróclita & guerra
Formato   15 x 23,5 cm
Nº páginas   240 págs.
Acabamento   capa mole
ISBN   978-989-54825-0-4
Ano   2020

 

Rui de Azevedo Teixeira, o nome de referência nas relações literatura e guerra, reúne neste volume ensaios que se estendem ao longo de três décadas. Para lá da temática literária e social, e das questões lusófonas, ocupam lugar de destaque nesta obra o amor e a questão bélica — tratada, segundo Vasco Graça-Moura, com “extrema dureza”.

Após panorâmicos textos de abertura, o autor escreve sobre personalidades guerreiras como Alpoim Calvão, Jaime Neves e Carlos Matos Gomes, e os escritores Lídia Jorge, Manuel Alegre e Carlos Vale Ferraz, o trio canónico da literatura centrada na Guerra de África 1961-1974. A temática do amor é abordada em trabalhos sobre autores que vão desde Hélia Correia, Vasco Graça-Moura e Lobo Antunes a Vasco Pulido Valente, Helder Macedo e Clara Pinto Correia.

O livro inclui importantes ensaios à volta do problema do cânone, da figura do crítico público (no texto sobre o polémico Marcel Reich-Ranicki) ou os temas do escritor lendário e da integridade artística em Hemingway. Mas há também a problemática social, nos ensaios sobre Orlando da Costa e Leão Penedo, e a questão lusófona em Manuel Alegre, António Bondoso, Pepetela e Mucavele. Há também textos sobre o cinema de Manoel de Oliveira e António-Pedro Vasconcelos. Assinale-se o facto, que cremos inédito entre nós: a publicação, em livro, de uma arguição de doutoramento — em torno de Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, António Ferro e Almada.

Com uma linguagem estimulante e um estilo “enérgico e eminentemente sedutor” (Eugénio Lisboa), Rui de Azevedo Teixeira não raro quase nos faz esquecer estarmos perante textos de análise literária ou revisitação histórica.

 

O AUTOR
Minhoto, Rui de Azevedo Teixeira foi alferes dos comandos em Angola, professor do liceu e assistente universitário em Portugal e na África lusófona, empresário na área da consultoria, professor universitário na Alemanha, onde se doutorou, e em Portugal, onde agregou por unanimidade. Conhece todo o antigo Império Português, excepto Timor que será a sua última grande viagem lusófona. Dedica-se hoje inteiramente à escrita e à sua quinta na milenar Argivai, Póvoa de Varzim.

OBRAS
A Guerra Colonial e o Romance Português – Agonia e Catarse, 1998  (1ª e 2ª ed.).
A Guerra e a Literatura, 2001.
O Leitor Hedonista – Sobre o romance contemporâneo português e outros textos, 2003.
Uma Proposta de Cânone, 2005.
A Guerra de Angola 1961-1974, 2010.
Homem de Guerra e Boémio – Jaime Neves por Rui de Azevedo Teixeira, 2012  (1ª e 2ª ed.).

Livros organizados
A Guerra Colonial: Realidade e Ficção, 2001, org. Rui de Azevedo Teixeira.
A Guerra do Ultramar: Realidade e Ficção, 2002, org. Rui de Azevedo Teixeira.
O Amor (Im)possível – Poemas escolhidos (1982-2002), de Fernando Tavares Rodrigues, 2002, selec. e pref. de Rui de Azevedo Teixeira.

Orientação Científica
Dissertações de Mestrado e de Doutoramento.

Vária
Organizou, com Ana de Sousa Moniz, o I Congresso Internacional sobre a Guerra Colonial, tendo organizado também o II Congresso Internacional sobre a Guerra do Ultramar.
Deu cursos em Angola e Moçambique e um cursilho em França. Fez conferências diversos países europeus (Áustria, Hungria, Eslováquia, República Checa, Alemanha e Portugal) e em Goa.
A convite da respectiva Embaixada, fez um Visitor’s Program aos EUA.

Descrição

Rui de Azevedo Teixeira, o nome de referência nas relações literatura e guerra, reúne neste volume ensaios que se estendem ao longo de três décadas. Trata-se de textos com uma linguagem estimulante e um estilo “enérgico e eminentemente sedutor” (Eugénio Lisboa), que quase nos fazem esquecer estarmos perante penetrantes análises literárias ou revisitações históricas.

Informação adicional

Peso 380 g
Dimensões (C x L x A) 150 × 17 × 235 mm

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Ensaios de Espelho, de Rui de Azevedo Teixeira”

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *